leituras que inspiram o cuidado e brotam ações

leituras que inspiram o cuidado e brotam ações

Ainda podemos aprender muito sobre os caminhos desse novo mundo que só pode ser construído de uma maneira: coletivamente.

A visão de que meio ambiente é uma coisa separada da gente é ultrapassada, precisamos entender que tudo que fazemos pro mundo, estamos fazendo também fazendo por nós mesmas. Essencial é também entender e praticar uma visão integrada também com relações humanas, construindo relações positivas, baseadas em respeito e diálogo. Estamos vivendo um período de muitas dúvidas, uma era de transição, na qual não há espaço para o excesso, mas sim espaço para o cuidado. Por isso, hoje indicamos algumas leituras, que além de inspiradoras, nos mostram na prática como sermos seres humanos mais cuidadosos.

A palavra cuidado é oriunda do lat[im] cogitātu- "reflexão, pensamento" significa, entre outras coisas, atenção e cautela; precaução.

Nesse trio de autores encontramos o cuidado sob diferentes perspectivas, mas olhando para um mesmo amanhã, trazendo luz e ação para uma reflexão unificada: como construir um novo futuro?

O primeiro livro, do André Carvalhal, “Viva o Fim”, traz uma visão holística sobre a transformação que estamos vivendo, mostrando reflexões que podemos ter para contribuir para essa nova era.

A segunda indicação, o livro “Lugar de Fala”, é uma maravilhosa obra da filósofa feminista Djamila Ribeiro. Ela nos conduz, de uma maneira didática sobre o cuidado que devemos ter nas relações humanas, principalmente quanto às palavras, abrindo e respeitando lugares de fala de quem foi e continua sendo silenciado, na esperança de uma sociedade mais justa e inclusiva.

Por último, entramos em um campo mais específico: o da diminuição de lixo que geramos (lembra aquela história que sempre falamos que não existe jogar nada fora?), pois bem, a Cristal Muniz traz em seu livro “Uma Vida Sem Lixo”, maneiras práticas de reduzir o descarte e simplificar nossas vidas.

Todos com leituras fluidas, gostosas e cheias de aprendizados, nos fizeram nos sentir mais preparadas para todas dúvidas que o novo momento vêm apresentando. Vamos contar mais sobre cada um deles aqui embaixo. Veja o que mais te interessa e junte-se a nós nesse clube de mulheres leitoras empoderadas.

 

1. Viva o fim. Almanaque de um novo mundo - André Carvalhal

O que propõe?

A própria divisão do livro é muito significativa: primeira parte “Fim”, segunda parte “Novo eu?”, terceira parte “Novos nós?”, quarta parte “Novo Mundo?”, já aponta para o tom questionador que compõe o conteúdo, que começa pelo fim. Apresenta o declínio das diretrizes do agora e mostra também os caminhos possíveis de futuro, que já acontecem por meio de vários movimentos. Carvalhal nos mostra caminhos para sermos agentes do futuro em nossas escolhas diárias, resultados de nossos valores e conhecimentos, sociais, ambientais e culturais.

O que mais gostamos?

O @carvalhando escreve como se estivesse sentado numa mesa de bar conversando com você, essa fluidez nos carrega, quase sem perceber, para reflexões extremamente profundas e pertinentes. Além disso, ao final de cada capítulo, mostra uma seção incrível chamada “Aprofundamentos”, onde são propostos livros, filmes, materiais para download, e até atividades de observação sugeridas para colocarmos em prática e irmos mais longe na reflexão. A clareza com que é trazida essa transição que estamos vivendo, nos revigora com otimismo para “co.criar o novo”.

Informações técnicas

Viva o Fim. Almanaque de um novo mundo

Autor: André Carvalhal

Editora: Paralela (uma divisão da Editora Schwarcz S.A.), 2018

342 páginas

 

2. O que é lugar de fala? Djamila Ribeiro

O que propõe

O livro faz parte da coleção “Feminismos Plurais”. Djamila Ribeiro é mestre em filosofia e ativista do feminismo negro. No primeiro capítulo, apresenta “Um pouco de história”, no segundo “Mulher negra: o outro do outro”, no terceiro “O que é lugar de fala” e por último “Todo mundo tem lugar de fala”.

O que mais gostamos?

A linguagem acessível é um ato político da autora, para que todos possam aprender sobre abrir esses espaços, agir de forma democrática, com cuidado para não segregar a ideia. Indica várias leituras de mulheres negras, entre elas, a artista Conceição Evaristo. Mulheres que por muito tempo não tiveram visibilidade e que, até hoje, continuam enfrentando grandes batalhas, continuam sendo silenciadas. Nos mostra como é importante, em meio a tantas discussões e embates, nos voltarmos para as raízes do feminismo e nos abrirmos para conhecermos mais nossa história, para dar voz às mulheres, para sermos mais empáticas.

Informações técnicas

O que é: lugar de fala?

Autora: Djamila Ribeiro.

Editora: Letramento, 2017.

111 páginas.

 

3. Uma vida sem lixo - Cristal Muniz

O que mais gostamos?

Ele vem da própria experiência da autora de viver um ano produzindo menos lixo possível, contada em seu blog, então tudo que diz faz parte de um exercício prático. Por ser brasileira, encontramos dicas diretas e possíveis, dentro da nossa realidade. Também aprendemos sobre as diferenças e os danos de todo tipo de lixo que geramos para o meio ambiente, despertando nossa consciência a partir de uma forma didática. Terminamos o livro inspiradas e certas de que a mudança se torna inevitável depois dessa leitura.

O que propõe

Você sabia que apenas 3% do lixo no Brasil é reciclado? O livro mostra nossa responsabilidade no mundo diante disso e explica como podemos nos adaptar para gerar menos lixo individualmente, dentro e fora do nosso lar.

Informações técnicas

Uma vida sem lixo. Guia para reduzir o desperdício na sua casa e simplificar a vida

Autora: Cristal Muniz

Editora: Alaúde

347 páginas

 

Você já leu algum desses livros? Compartilha sua visão com a gente e deixe sugestões nos comentários abaixo <3
 



últimos posts

intuir é saber
intuir é saber

Nossa mente e nosso corpo muitas vezes são muito mais sábios que nosso conhecimento racional, por isso é preciso estar atento quando nossa intuição se manifesta: ela quer sempre nos guiar para o que é melhor para nós.

ler mais >
e se a gente trocar os estereótipos que rotulam por arquétipos que ensinam?
e se a gente trocar os estereótipos que rotulam por arquétipos que ensinam?

Ao conhecer melhor os quatro arquétipos femininos associados ao ciclo menstrual, aprendemos a aproveitar melhor a energia de cada um deles e a entender o que cada um deles tem a nos ensinar. Venha conhecer melhor as energias da Donzela, Mãe, Feiticeira e Anciã que se manifestam em nós.

ler mais >
lua vermelha: nossa criatividade cíclica
lua vermelha: nossa criatividade cíclica

A dica de hoje é o incrível livro de Miranda Grey, Lua Vermelha, que traz nosso ciclo menstrual como um ciclo criativo e nos mostra como ampliar nosso poder de criar coisas novas.

ler mais >

cool. absorbing. obvious.

qual é o meu tamanho?