você sabe o que é interseccionalidade?

você sabe o que é interseccionalidade?

calcinha-absorvente-pantys-blog-pantys-feminismo

Palavrinha complicada, né? Mas ela tem um peso e tanto. Diferente de várias # que invadiram as redes sociais há um tempo, a interseccionalidade compreende, antes de tudo, o conhecimento de que não somos todos essa ou aquela pessoa. Temos origens distintas, experiências complexas, somos mais ou menos oprimidas, mais ou menos privilegiadas, mais ou menos discriminadas. Se você é uma mulher branca, por exemplo, com certeza não viveu o racismo estruturalizado em nossa sociedade. Entender isso é essencial para a construção de um mundo mais justo.

Mas, pera, se você está confusa e se perguntando como reconhecer as diferenças que temos pode auxiliar na conquista da igualdade, a gente explica. Segue o fio :)

reconhecendo onde estamos

Se assumimos que não somos iguais, somos obrigadas a nos questionar sobre o que nos difere, o que faz com que uns tenham determinados privilégios e o que permite que outros não tenham seus direitos garantidos. A interseccionalidade é parte desse caminho de reconhecimento, mas também de transformação política. Não é sobre dividir pessoas em categorias, mas sobre entender que um sujeito é construído em vários sentidos. A gente dá um exemplo: o grêmio feminista de uma universidade é composto por mulheres, mas, dentro dele, pode existir uma enorme gama de fatores diferenciais — classe social, raça, mulheres trans, lésbicas, com deficiência etc. Alguns marcadores fazem com que tenhamos, automaticamente, privilégios garantidos ou direitos restringidos. É por isso que não uniformizar determinada luta é importante, sabe?

uma mulher interseccional

Quando falamos que somos mulheres do futuro, estamos falando também dessa consciência em reconhecer em que posição estamos e em fazer da interseccionalidade um caminho. Se tivermos em posição de privilégio, é essencial que a gente ceda o lugar de fala, que a gente escute com quem vive determinada experiência e que aprenda com os erros apontados. É essa postura de abertura genuína que faz com a gente entenda e se engaje em pautas sociais importantíssimas. As formas de opressão se inter-relacionam e, por isso, precisamos olhar pra tal mecanismo partindo desse prisma complexo que cruza diferentes preconceitos — racismo, sexismo, classismo, capacitismo, xenofobia, bifobia, homofobia, transfobia e outras intolerâncias. Só assim seremos capazes de mudar esse jogo.

_ Dica preciosa pra você aprofundar o assunto por aí
O livro Interseccionalidade, de Carla Akotirene. E, ah!, o perfil dela no Instagram também é imperdível. Tem de seguir <3



últimos posts

síndrome de impostora: nós realmente temos ou nos fizeram acreditar nisso? | pantys
síndrome de impostora: nós realmente temos ou nos fizeram acreditar nisso?

até mesmo a ex-primeira dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, falou abertamente sobre já ter vivido com essa síndrome por anos, duvidando de suas conquistas. ok, mas o que é essa síndrome? vamos descobrir juntas!

ler mais >
relacionamento inter-racial: amor, racismo e história | pantys
relacionamento inter-racial: amor, racismo e história

história do Brasil, racismo, colorismo, relações de poder, amor e inseguranças permeiam esse debate. afinal, precisamos lembrar que gosto é construído social e historicamente. então, amiga, vem com a gente, que o papo de hoje tá supercompleto e recheado de reflexões.
ler mais >
por que deixar de fazer networking pode ser um erro fatal na sua carreira? | pantys
por que deixar de fazer networking pode ser um erro fatal na sua carreira?

a experiência de fazer networking para homens e mulheres é completamente diferente. por quê? vem saber tudinho aqui, vem!

ler mais >

cool. absorbing. obvious.