Greenwashing: como saber se uma marca é sustentável? | Pantys

greenwashing: quando uma marca parece sustentável, mas não é

o-que-e-greenwashing-blog-pantys

Amiga, vamos ser sinceras, ninguém quer admitir que produz ou consome produtos que fazem mal à natureza. Entretanto, ao entrar na onda da sustentabilidade, muitas empresas ajustam apenas o discurso, enquanto as ações continuam sendo prejudiciais ao meio ambiente. Sabia que isso tem um nome? Greenwashing!

Em 2018, uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC) analisou 500 embalagens de produtos de limpeza, higiene e utilidade doméstica. Os dados revelaram que 48% das embalagens continham informações falsas sobre responsabilidade ambiental.

Esse tipo de pesquisa mostra como é importante investigar as ações das marcas, para verificar se o discurso é realmente colocado em prática. Então, amiga,vem com a gente entender como o greenwashing funciona e como identificar instituições que são adeptas a ele.

significado de greenwashing

Greenwashing, o que é? Em tradução literal, o termo significa “lavagem verde” ou “pintando de verde”. Ele pode ser praticado por empresas, indústrias, Organizações Não Governamentais (ONG’s) e até mesmo governos.

Basicamente, o greenwashing é um apelo comercial para a sustentabilidade. Então, as instituições usam um discurso sustentável, mas não adotam ações que sejam realmente benéficas ao meio ambiente.

Desse modo, o local usa o discurso verde para atrair clientes, induzindo o consumidor ao erro. Isso porque ele acredita estar contribuindo para uma causa animal ou ambiental ao adquirir determinado produto, o que não é verdade.

atenção à cadeia de produção

Falar em sustentabilidade é pensar em cadeia de produção. Portanto, para saber se um produto é sustentável, precisamos analisar os processos por trás de seu desenvolvimento e seu descarte, considerando fatores como: origens, ingredientes, componentes e certificações.

Se você está pensando em greenwashing e exemplos, temos alguns muito comuns, como empresas de cosméticos que apresentam um apelo ambiental, porque usam ingredientes naturais, mas ainda possuem embalagens de plástico e não se preocupam com os resíduos de sua produção.

Na indústria da moda, uma das mais poluentes do mundo, também precisamos ficar atentas. Algumas empresas criam coleções especiais “eco”, utilizando algodão sustentável, e identificam-se como sustentáveis. Entretanto, todas as outras roupas passam por processos nocivos à natureza.

Então, amiga, precisamos entender de maneira mais profunda o significado do termosustentabilidade, porque ele envolve muitos fatores. Quando um produto se define como benéfico ao meio ambiente, por exemplo, ele deve apresentar dados que comprovem essa afirmação, como metodologia clara, transparente, cientificamente sólida e documentada.

Desse modo, é possível verificar a veracidade do discurso da empresa sustentável.

como identificar marcas e produtos que fazem greenwashing?

“Parece uma maravilha, mas não é”: essa é a melhor definição para marcas que praticam greenwashing. Elas apresentam um discurso engajado e convincente, enquanto continuam adotando processos nocivos ao meio ambiente.

Mas, relaxa, amiga, o IDEC (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) definiu sete sinais que ajudam a identificar diferentes tipos de greenwashing. Confira abaixo.

falta de provas

Diversos produtos são caracterizados como ambientalmente corretos pelas marcas que os criam. Entretanto, muitas vezes não há comprovação científica dessa afirmação. Um exemplo comum disso são os produtos veganos sem certificação.

imprecisão e termos vagos

Termos como “sustentável”, “natural” ou “amigo do ambiente” são muito vagos quando não há explicações sobre as práticas por trás da nomenclatura. Quer um exemplo ilustrativo? O mercúrio é natural, mas isso não significa que ele faz bem à saúde.

irrelevância

Em alguns casos, informações verdadeiras, porém irrelevantes, são colocadas nos rótulos. Um caso comum são os produtos que informam “não contém CFC” — o uso do CFC foi proibido por lei, ou seja, a empresa está apenas cumprindo com a sua obrigação e não oferecendo uma vantagem ao consumidor.

troca oculta

A troca oculta acontece quando um fator é evidenciado, enquanto outras questões mais sérias são deixadas em segundo plano. Por exemplo, há quem promova o uso do plástico para que não se gaste água lavando objetos não descartáveis. Contudo, o plástico é altamente prejudicial ao meio ambiente e usa milhares de litros em sua produção.

mentira

Sim, amiga, algumas marcas que fazem greenwashing simplesmente mentem em seus rótulos. Isso pode acontecer de diferentes formas, como a afirmação sobre o descarte seletivo dos produtos ou sobre as soluções para seus resíduos.

rótulos falsos

Em alguns casos, embalagens e propagandas utilizam símbolos que parecem selos de certificação. Entretanto, essa estratégia induz o cliente ao erro e o faz acreditar em certificados não oficiais.

menor de dois males

Nem sempre o apelo ambiental adotado pela empresa é falso. Apesar disso, o discurso adotado distrai o consumidor dos impactos ambientais maiores que aquele produto causa. Um produto descartável, por exemplo, pode conter menos plástico em sua composição, mesmo assim, isso não resolve o problema da geração de lixo.

questionar e pesquisar para não cair em discursos vazios

As marcas precisam mostrar dados científicos que comprovem os seus discursos, além de tornarem sua cadeia de produção mais transparente. Nesse contexto, oInstituto Fashion Revolution questiona “quem fez minhas roupas?” e luta por uma moda mais justa.

O Índice de Transparência da Moda Brasil, desenvolvido pelo Instituto, analisa varejistas brasileiras. O objetivo dele é, justamente, identificar o quanto essas empresas comunicam ao público sobre sua cadeia produtiva e quais são os impactos socioambientais que elas estão gerando.

Como consumidoras, precisamos conhecer esse tipo de índice e buscar informações sobre os principais selos e instituições certificadoras que garantem processos sustentáveis.

Assim, cuidamos do planeta e conseguimos mudar nossos hábitos de maneira efetiva, sem fazer escolhas equivocadas e consumir marcas mal-intencionadas <3



últimos posts

síndrome de impostora: nós realmente temos ou nos fizeram acreditar nisso? | pantys
síndrome de impostora: nós realmente temos ou nos fizeram acreditar nisso?

até mesmo a ex-primeira dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, falou abertamente sobre já ter vivido com essa síndrome por anos, duvidando de suas conquistas. ok, mas o que é essa síndrome? vamos descobrir juntas!

ler mais >
relacionamento inter-racial: amor, racismo e história | pantys
relacionamento inter-racial: amor, racismo e história

história do Brasil, racismo, colorismo, relações de poder, amor e inseguranças permeiam esse debate. afinal, precisamos lembrar que gosto é construído social e historicamente. então, amiga, vem com a gente, que o papo de hoje tá supercompleto e recheado de reflexões.
ler mais >
por que deixar de fazer networking pode ser um erro fatal na sua carreira? | pantys
por que deixar de fazer networking pode ser um erro fatal na sua carreira?

a experiência de fazer networking para homens e mulheres é completamente diferente. por quê? vem saber tudinho aqui, vem!

ler mais >

cool. absorbing. obvious.