os mitos que te contaram sobre mudar de carreira

os mitos que te contaram sobre mudar de carreira

Especialistas apontam que teremos entre três e cinco carreiras ao longo da vida. O sonho da carreira dentro de uma única empresa para a vida toda terminou definitivamente, e o que as novas gerações desejam é alinhar trabalho e propósito.

Além disso, mais do que mudanças em nossa rotina de trabalho, a pandemia desencadeou um grande movimento de pessoas repensando suas carreiras. Uma pesquisa realizada pelo grupo britânico Pearson, a maior empresa de educação do mundo, revelou que cerca de 76% dos brasileiros chegaram a repensar suas carreiras por conta da crise. O impacto negativo maior se deu na carreira de mulheres - segundo o IPEA, regredimos em 30 anos a nossa participação no mercado de trabalho.

No Mulheres no Comando, observo a mesma tendência: além de muitas mulheres desempregadas, vejo cada vez mais mulheres tentando fazer Transições de Carreira. Durante as mentorias que faço, consigo identificar como os mitos socialmente criados impedem as mulheres de seguirem seus desejos. Selecionei aqueles que mais escuto para dizer porque são mitos e como derrubá-los:

  1. “Só depois de fazer os melhores cursos eu conseguirei os melhores empregos.”
    Na era da informação em que vivemos hoje, onde o conteúdo é vasto, rico e muito mais acessível do que era antes, o diferencial de uma profissional não é mais o seu currículo acadêmico. Buscar conhecimento específico é uma parte fundamental na transição de carreira, mas não é a única.
    Dica de ouro: Você não precisa absorver todo o conhecimento técnico da área de uma vez. No primeiro momento, se dedique a aprender, mas coloque sua energia em conectar com as pessoas certas e busque mentoras experientes para guiar seu caminho nesse momento.
  2. “É tarde demais, estou muito velha para mudar de carreira.”
    Essa é a típica crença limitante, cuja única função é nos estagnar. Já entendemos que temos ciclos e estamos em constante transformação, mas ainda insistimos em pensar que teremos uma carreira linear e única a vida inteira. É triste ver mulheres infelizes com seu trabalho por se acharem velhas demais para mudar. E como disse Helena Bertho (Head de Comunicação da L’Oreal) num evento do Mulheres no Comando: “tarde demais é depois que morre”. A vida oferece infinitas possibilidades e sempre é tempo para recomeçar. O mercado está cheio de exemplos inspiradores: Vera Wang entrou para o mercado da moda no auge de seus 40 anos de idade e hoje é uma designer de moda americana super reconhecida.
  3. “Mudar agora é desperdiçar tudo que já fiz e começar do zero.”
    Fomos criados em uma cultura de educação na qual as disciplinas são muito bem separadas e, por conta disso, acreditamos que no mundo do trabalho as coisas continuam funcionando dessa forma. A realidade, entretanto, é bem mais complexa e rica. Ter um background em uma área diferente pode ser, inclusive, um diferencial competitivo. Profissionais com múltiplas experiências e conhecimentos trazem um olhar diferente para os desafios antigos da empresa. O mercado tem valorizado cada vez mais a autenticidade dos seus colaboradores.
    Dica de ouro: utilize sua história como uma força, seu verdadeiro diferencial, algo que só você tem. Pense sobre o que você fez no passado e pode te agregar na área que você deseja seguir, e mostre isso às pessoas escrevendo artigos no seu LinkedIn, por exemplo.
  4. “As pessoas vão achar que fracassei na minha área.”
    Usar “sucesso” ou “fracasso” como um rótulo é uma forma muito finita de enxergar o mundo, que é algo infinito. Você será julgada independente do que você fizer e isso não pode limitar suas decisões.
    Dica de ouro: mudar é um ato de coragem, algo que muita gente deseja, mas poucas encontram força e condições práticas para realizar. Se você tem essas ferramentas, não pense duas vezes: mude!

Fazer escolhas alinhadas aos seus valores pode ser difícil no começo, mas acredite: será libertador. Viver a sua verdade e a de mais ninguém. Para mim, esse é o verdadeiro significado do sucesso.

JÉSSICA PARAGUASSU
Empreendedora especialista em Negócios e Neurociência, fundou o @mulheresnocomandosp para ajudar mulheres a despertarem todo o seu potencial
profissional e transformar o mundo corporativo num ambiente mais igualitário



últimos posts

síndrome de impostora: nós realmente temos ou nos fizeram acreditar nisso? | pantys
síndrome de impostora: nós realmente temos ou nos fizeram acreditar nisso?

até mesmo a ex-primeira dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, falou abertamente sobre já ter vivido com essa síndrome por anos, duvidando de suas conquistas. ok, mas o que é essa síndrome? vamos descobrir juntas!

ler mais >
relacionamento inter-racial: amor, racismo e história | pantys
relacionamento inter-racial: amor, racismo e história

história do Brasil, racismo, colorismo, relações de poder, amor e inseguranças permeiam esse debate. afinal, precisamos lembrar que gosto é construído social e historicamente. então, amiga, vem com a gente, que o papo de hoje tá supercompleto e recheado de reflexões.
ler mais >
por que deixar de fazer networking pode ser um erro fatal na sua carreira? | pantys
por que deixar de fazer networking pode ser um erro fatal na sua carreira?

a experiência de fazer networking para homens e mulheres é completamente diferente. por quê? vem saber tudinho aqui, vem!

ler mais >

cool. absorbing. obvious.