a importância de apoiarmos umas às outras | pantys

nada sobre nós sem nós: a importância de apoiarmos umas às outras

calcinha-absorvente-pantys-blog-apoio-feminino

O ano de 2020 atropelou tudo e fez renascer palavras gastas ou guardadas lá no fundo da gaveta — pertencimento, união, gratidão, cooperação. Daquele recadinho no elevador se colocando à disposição para fazer as compras dos moradores idosos à neta que criou uma engenhoca de plástico para poder abraçar a avó: se teve algo que a pandemia nos ensinou foi que estar junto (mesmo que distantes fisicamente) e nos apoiarmos é de uma importância tremenda.

É por isso que esse texto é um convite para que a gente lance mão, cada vez mais, do apoio: às nossas amigas, a causas e movimentos nos quais acreditamos e, também, a nós mesmas. Apoio pode significar, segundo o dicionário, um auxílio, uma aprovação, uma prova ou, ainda, um item de arquitetura utilizado para segurar estruturas. Gostamos muito dessa última descrição porque acreditamos que na base de toda a estrutura feminista está, justamente, uma rede de apoio forte, coesa, potente, formada pormãos femininas que se acolhem, protegem e impulsionam.

sozinha eu ando bem, mas com você ando melhor

Atrás dos nossos passos, estão as pegadas de mulheres audaciosas, combativas, criativas e resilientes que fizeram da libertação feminina pauta e bandeira para que pudéssemos, hoje, caminhar numa sociedade um pouco mais igualitária. Ainda falta muito, é claro, e nossos passos também irão abrir caminho para outras de nós que virão. Não é bonito demais imaginar isso? :)

É importantíssimo, nessa caminhada, que a gente olhe pro lado e apoie as nossas. E não estamos falando só de militantes ou ativistas, não. Estamos falando de apoiarmos amigas, familiares, colegas. Apoiar quem amamos ou por quem temos apreço mesmo quando as opiniões divergem, sabe? (Desde que, claro, a opinião não ofenda ninguém, né?)

Quanto mais apoiamos quem está ao nosso lado, correndo com a gente, mais forte fica esse elo de pertencimento. É quase uma sensação tribal mesmo: de que seremos amparadas, se necessário, e que iremos amparar, quando a situação exigir. E é esse vínculo, essa corrente, que dá a coragem necessária em cada uma de nós para que sigamos em frente. A gente propõe um exercício rápido de reflexão: no último ano, você apoiou suas amigas? Consegue listar três nomes que tiveram seu auxílio nos últimos meses? E vale botar na listinha de compromissos e resoluções para os próximos dias que virão: que daqui pra frente você esteja sempre que possível atenta às necessidades e demandas da sua rede e que possa ajudá-las e cuidá-las sempre que for necessário.

ajude a hastear a bandeira em que você acredita

Há muitas causas por aí precisando de apoio. E não estamos falando, necessariamente, de apoio financeiro. Hoje, é possível se engajar em movimentos de muitas formas — indo a passeatas, participando de campanhas de conscientização, sendo voluntária e até dando aquela força pra uma # bombar no Twitter. Lutar por aquilo em que acreditamos reforça não só o senso comunitário, como também ajuda a acender, dentro de nós, aquela sensação de que estamos fazendo a coisa certa, de que somos peças de uma engrenagem que trabalha para que algo mude. O sentimento de fazer parte da construção de um mundo melhor já é gratificação o suficiente. Você tem plantado essa sementinha por aí? :)

coloque a máscara de oxigênio primeiro em você

Sabe aquele aviso antes da decolagem do avião? Pois bem, ele também vale para a vida: em casos de despressurização, coloque a máscara de oxigênio primeiro em você e depois ajude as pessoas ao lado. Isso porque não conseguimos dar apoio a ninguém se não estivermos nós mesmas firmes na própria base, né? É imprescindível que a gente aprenda a se acolher, a se cuidar, a se dar o tempo necessário quando tivermos de curar algo. É apoiando nossa própria trajetória e nossas próprias experiências e aprendizados que vamos ganhando tônus pra enfrentar outros desafios, novas jornadas. É assim, também, que passamos a delimitar limites importantes — até onde podemos ir, até o outro pode ir com a gente. Vamos fazer um trato? Que você, nesse ano todinho que tem pela frente, vai lembrar de se olhar (por fora e por dentro) com frequência, como um hábito, que vai se escutar e que a partir dessa escuta vai ser sua maior parceira nos pedidos sutis que fazem seu corpo e sua alma. Combinado? <3



últimos posts

“he named me Malala”: o doc que você precisa assistir em março! | pantys
“he named me Malala”: o doc que você precisa assistir em março!

o filme certeiro para assistir no mês de março, em meio às homenagens às lutas feministas. então assista, compartilhe com sua rede, discuta com amigas, converse sobre com colegas.

ler mais >
As três lições que aprendi buscando me tornar a protagonista da minha história | pantys
As três lições que aprendi buscando me tornar a protagonista da minha história

para ser protagonista da nossa história, precisamos ter consciência das nossas limitações, pois é assim que conseguiremos não nos deixar abalar pelas críticas vazias

ler mais >
sangue sagrado: uma história de autoconhecimento e reconhecimento de poder na Nigéria | pantys
sangue sagrado: uma história de autoconhecimento e reconhecimento de poder na Nigéria

num vilarejo no norte da Nigéria, meninas e mulheres têm encontrado uma poderosa ferramenta de autoconhecimento, poder e resistência contra o tabu da menstruação.

ler mais >

cool. absorbing. obvious.