meu poderoso diário

meu poderoso diário

Nosso convite de hoje é para redescobrirmos a prática do diário, escrevendo a nossa própria história. Em um mundo cheio de informações, em que a gente tem pensamentos, sentimentos e experiências diversas o tempo todo, é muito precioso tirar um tempo para escrever e entender melhor o que estamos vivenciando.

Já pensou como seria incrível ler o que nossas mães e avós experimentaram ao longo de suas vidas? Aprenderíamos muito sobre a nossa própria caminhada e a vivência do feminino, talvez nos sentindo mais compreendidas. Mas, infelizmente, muitas mulheres tiveram os seus diários queimados ao longo da história e esse hábito acabou ficando esquecido - e por isso viemos aqui relembrar! Não podemos mudar o passado, mas podemos criar um futuro em que as mulheres que vem depois de nós possam conhecer a nossa jornada. Que lindo é isso de pensar em passar experiências e aprendizados adiante, né?

E, se você não quiser que ninguém leia os seus escritos, tá tudo bem, expressar os próprios sentimentos em palavras pode ser algo muito pessoal e cheeeio de segredos mesmo. O importante é ter esse registro incrível para a sua memória e assim entender melhor a sua personalidade, seus gostos e a sua trajetória. É uma ferramenta que nos ajuda a compreender como o nosso corpo e os nossos sentimentos reagem aos acontecimentos e mudanças da vida. Com o passar do tempo registrando tudo, temos certeza que você vai começar até a enxergar como você se expressa em cada fase do ciclo menstrual.

Outra coisa muito mágica de ter um diário é que tem um efeito terapêutico, primeiro porque nos permite selecionar livremente o que vai para o papel, sem filtros. A própria seleção do que decidimos transformar em palavras é algo que provavelmente nos toca de alguma forma, mesmo que a gente ainda não tenha nem se dado conta. O fato de organizar os pensamentos para a escrita pode nos ajudar a seguir em frente, pois entendemos melhor cada acontecimento e o ponto de vista que tivemos sobre eles, nos sentimos mais leves com esse entendimento e vamos aprendendo a dar menos peso para nossos pequenos fracassos, pois vemos com mais nitidez que a vida continua.

Essa prática tão gostosa pode nos ajudar até mesmo a comemorar mais as nossas conquistas. Escrever uma pequena superação pessoal ao fim de cada dia é uma ótima forma de celebrar você mesma e enxergar a parte positiva de cada etapa. Ao registrar sua caminhada, você entende que teve coragem, venceu aquele obstáculo e que cada passo importa.

Criar um lugar em que possamos acessar nossos pensamentos fora da cabeça pode nos ajudar a perpetuar o aprendizado de cada momento. É quase como se, ao colocar as ideias no papel, a gente comprovasse que aqueles momentos realmente existiram - e em um mundo de tanta informação e tantos pensamentos, isso pode ser muito poderoso.

Além da expressão pessoal, é importante lembrar que a escrita nos permite fortalecer o que somos e vivemos também coletivamente. Ao longo da história, quase todos os livros, sejam eles científicos, literários ou didáticos, foram escritos por homens. Estamos acostumadas a ler sob o ponto de vista masculino, o que torna a nossa prática de escrita ainda mais importante, já que ela nos permite enxergar o mundo sob uma perspectiva feminina dos fatos.

Materializar os sentimentos em um mundo cada vez mais online é uma ferramenta transformadora, porque pode ajudar a diminuir a nossa ansiedade, permitindo que a gente enxergue exatamente o aconteceu em cada período do mês ou do ano sob o nosso ponto de vista. E o melhor de ser um diário é que não tem cobranças, é só seu, não precisa se preocupar se está “bonito” ou “bem escrito”, o importante é saber que ali existe uma parte importante da sua história em palavras ganhando vida. Isso é tudo!

Carregamos algumas sensações internas que não conseguimos compartilhar com ninguém e elas importam tanto quanto as que nos permitimos expressar. Escrever é uma forma de não deixar que essa voz interna seja esquecida. Você já teve a impressão de ter passado pelos mesmos erros repetidas vezes? A escrita pode ser a melhor forma de não se esquecer de seus aprendizados anteriores. Além disso, conseguimos enxergar melhor nossos padrões de comportamento e entender o que faz e o que não nos faz bem.

Escrever e ler a nossa própria história é um privilégio que precisa ser vivenciado. Ao escrever em um fluxo tranquilo, sem pensar muito, entramos em contato com um lado mais intuitivo e ancestral.

Conselho de amiga: experimente, no seu próprio ritmo, e sinta a vida ficar mais leve e nítida. A gente garante que você vai adorar reencontrar outras versões suas que viveram tantas coisas incríveis em outros tempos, além de enxergar o quanto evoluímos a cada dia. Ao ler nossas próprias memórias, fica mais fácil entender que tudo na vida faz parte de ciclos que compõem nossa jornada.

Vamos começar o ano com um caderninho dentro da bolsa? Siiim!



últimos posts

indicamos o livro “o calibã e a bruxa”

sabe aquela leitura profunda, que exige um tanto de presença e paciência, mas que é transformadora? então, amiga, o livro “O calibã e a bruxa — mulheres, corpo e a acumulação primitiva”, é assim.

ler mais >
vamos conversar sobre sonhos?

dos mais simples aos mais complexos, passando por aqueles sem pé nem cabeça: você sabia, amiga, que os sonhos têm uma importância vital na solução de questões particulares e até coletivas?

ler mais >
você sabe o que é interseccionalidade?

entender isso é essencial para a construção de um mundo mais justo. mas, se você está confusa e se perguntando como reconhecer as diferenças que temos pode auxiliar na conquista da igualdade, a gente explica.

ler mais >

cool. absorbing. obvious.