e se a gente trocar os estereótipos que rotulam por arquétipos que ensinam?

e se a gente trocar os estereótipos que rotulam por arquétipos que ensinam?

Estereótipos são generalizações sobre comportamentos e características de pessoas ou grupos, geralmente baseados em pré-julgamentos e conceitos infundados que, na maioria das vezes, nos levam a reproduzir essas ideias sem formar de fato nossa opinião por meio de um conhecimento próprio profundo, investigativo. E já que eles trazem mais coisas ruins do que boas, sugerimos deixá-los no passado, no mundo velho e, em vez disso, conhecer melhor os arquétipos, que vêm para nos ajudar a evoluir e conhecer melhor o nosso comportamento individual e coletivo - sem julgamento algum, só aprendizado.

Os arquétipos são frequentemente encontrados na mitologia, nos contos de fada e lendas populares do mundo inteiro, por isso, com certeza você já ouviu falar de algum deles. Eles não são exclusivos de uma cultura ou tempo específico, são personagens que representam experiências constantemente vividas pela humanidade em um processo repetitivo e estão presentes no inconsciente coletivo. Aqui vão alguns exemplos: a donzela, a bruxa, o herói - reconheceu?

4 arquétipos que vivemos durante o ciclo menstrual

Lembra do livro Lua Vermelha que indicamos semana passada aqui no blog? Uma parte especial do livro, é que ele separa nossas quatro fases do ciclo em quatro arquétipos - e assim fica muito fácil entender tudo! Ao ler mais sobre eles aqui embaixo, provavelmente você vai se reconhecer - seja na sábia durante a TPM, em que refletimos muito sobre a vida, na donzela cheia de coragem, na energia da mãe querendo nutrir ideias ou na feiticeira que tem tanto poder de ação.

Acreditamos que tudo tem uma origem e também motivo, cada um desses arquétipos possuem uma energia diferente, que nos leva a comportamentos distintos. Saber mais sobre os arquétipos nos ajuda a aproveitar o lado positivo de cada um, dançando com nosso jeito cíclico de ser no mundo.

Vamos conhecer melhor essas 4 deusas que nos habitam e nos ensinam?

A Donzela

Quando sua energia se manifesta? Assim que acaba a menstruação.

Esse arquétipo representa as mulheres autoconfiantes, sociáveis, livres e donas de um comportamento independente. Aparece quando acaba a menstruação e nossos hormônios e ânimos começam a subir novamente, é o novo ciclo tomando vida, por isso uma coisa que devemos valorizar nessa fase é a coragem da Donzela. Aqui manifestam-se energias dinâmicas e criativas, estimulando o planejamento e o começo de planos e ações.

Dica: fazer uma lista com seus sonhos e projetos.

A Mãe

Quando essa energia se manifesta? Quando estamos ovulando, no período fértil!

Esse arquétipo é como a da maternidade: quer criar, sustentar e fortalecer. É hora de nutrir nossas ideias e sonhos. O arquétipo da mãe irradia amor e harmonia, sendo fundamental canalizar essa energia de crescimento e florescimento em alguma criação. É um momento em que conseguimos oferecer muito afeto.

Nossa libido aumenta e não apenas nos iluminamos como na fase da donzela, mas podemos mostrar nossa força de realizar. As energias da Mãe nos deixa muito fortes e cheias de poder de ação para encarar os desafios da vida, é um momento de colocar nossas criações no mundo.

Dica: botar em prática ideias que você teve em outros momentos.

Feiticeira

Quando sua energia se manifesta? Na fase pré-menstrual, logo após a ovulação, a famosa TPM.

Para entender o arquétipo da Feiticeira é só imaginar como ela é retratada, uma mulher misteriosa, sábia, poderosa e com poucas interações sociais. E o que tem de ruim nisso? Nada. As energias da Feiticeira mostram o início de uma fase que começamos a nos voltar para o nosso interior. É hora de refletir profundamente para conseguirmos discernir aquilo que não nos serve mais e que precisa ficar pra trás.

As energias se tornam impetuosas e podem se manifestar numa criatividade sem limites, com a mente muito mais propensa a insights. Podemos até achar mais difícil esse momento, afinal, anteriormente estávamos repletas de ação e agora iniciamos um movimento de recolhimento, no qual o silêncio começa a pedir espaço.

Dica: abrir espaço para sentir, meditar, escutar o que seu corpo tem a te falar.

Bruxa Anciã

Quando sua energia se manifesta? Durante a menstruação.

Transformação é o principal poder da Bruxa Anciã, esse é o momento em que estamos mais distantes do mundo terreno e mais próximas do espiritual - portanto, mais sábias. Nessa fase, estamos mais conectadas com nosso inconsciente, por isso não existe muita força de ação e sim mais reflexão sobre o que passou e virá.

Dica: se permitir descansar, usando toda sua sabedoria para pensar no passado e planejar o futuro.

Observe, aceite e transforme!

É muito importante sabermos que essas relações das fases menstruais não são uma regra, mas sim formas de entender as diferentes energias e estruturas fundamentais do nosso corpo e mente em cada fase. É importante que cada uma de nós sinta e aproveite a influência desses quatro arquétipos em vez de apenas aceitar um rótulo, “odiar” alguma fase ou até mesmo ficar se categorizando negativamente como instável: como sempre dizemos por aqui, somos cíclicas e quanto mais entendermos cada fase, mais compreensivas seremos com nós mesmas, nos curando, nos aceitando e assim, nos tornando cada vez mais confiantes e confortáveis nos nossos corpos e no mundo.



últimos posts

intuir é saber
intuir é saber

Nossa mente e nosso corpo muitas vezes são muito mais sábios que nosso conhecimento racional, por isso é preciso estar atento quando nossa intuição se manifesta: ela quer sempre nos guiar para o que é melhor para nós.

ler mais >
leituras que inspiram o cuidado e brotam ações
leituras que inspiram o cuidado e brotam ações

Indicamos três livros incríveis, que de forma muito didática, nos levam a refletir sobre ações imediatas para construir o futuro. Tem André Carvalhal, Djamila Ribeiro e Cristal Muniz. Vem saber mais sobre os aprendizados que essas pessoas incríveis nos trouxeram em forma de livros!

ler mais >
lua vermelha: nossa criatividade cíclica
lua vermelha: nossa criatividade cíclica

A dica de hoje é o incrível livro de Miranda Grey, Lua Vermelha, que traz nosso ciclo menstrual como um ciclo criativo e nos mostra como ampliar nosso poder de criar coisas novas.

ler mais >

cool. absorbing. obvious.

qual é o meu tamanho?