vamos falar sobre saúde ginecológica?

vamos falar sobre saúde ginecológica?

“Isso só acontece comigo”, “o que eu fiz de errado?” ou até mesmo “queria ter nascido homem”.

Esses são pensamentos que, infelizmente, muitas de nós já tivemos ao enfrentar algum problema ginecológico.

Por um lado, vivemos a modernidade da tecnologia, compartilhando o que vemos, pensamos e sentimos. Por outro, na hora de falar sobre saúde feminina, um tema de máxima importância e que nos afeta tanto, a maioria de nós acaba guardando uma vida toda de dúvidas e questões sem dialogar sobre isso com quase ninguém. Não faz sentido, não é mesmo?

Já pensou que aquele corrimento que você já teve e guardou a sete chaves, alguma amiga próxima pode estar passando agora e se sentindo a pior pessoa do mundo, pensando que só acontece com ela também? Por falta de conhecimento e de compartilhamento, muitas de nós se culpam e ficam com vergonha das amigas e do(s) parceiro(s), com medo de serem julgadas como “sujas” ou “com alguma doença” - o que além de ser um absurdo pode trazer tristeza e estresse, que baixa a imunidade e pode até mesmo atrapalhar a cura (tudo é um ciclo). Mas chega de culpa, não é mesmo? Nós somos mulheres lindas, livres, modernas e vamos levar esse tema para todos os lugares.

No mês da mulher, queremos propor que deixemos de reservar esse assunto apenas para brevíssimos minutos na sala do(a) ginecologista e a dezenas de exames e receitas, e comecemos a naturalizar esses assuntos, estimulando o compartilhamento, o diálogo e estimulando o autoconhecimento. Afinal, além de uma questão médica, a saúde, não apenas ginecológica, é um reflexo também do nosso emocional, do nosso conhecimento sobre o assunto e depende de nós.

Enxergar nossa saúde mais íntima dessa maneira pode levar a caminhos maravilhosos de conexão umas com as outras, e de reconexão com a sacralidade desse nosso corpo tão maravilhoso, que é capaz de se renovar em ciclos mensais, que é fonte de prazer e que permite até mesmo gerar vidas, se quisermos.

Não, você não é a única

Vamos usar como exemplo a Candidíase, uma das doenças que mais levam mulheres aos consultórios de Ginecologia, por exemplo. Estima-se que a Candidíase afeta três a cada quatro mulheres, pelo menos uma vez na vida. Isso representa 75% das mulheres, mas normalmente nós não falamos sobre isso nem com nossas amigas mais próximas. Desabafar, trocar dicas e se informar pode ser libertador, e pode ajudar na cura e prevenção.

 

Os ciclos naturais do corpo

Apesar de não termos aprendido muito (ou quase nada) sobre isso, a verdade é que toda vagina saudável produz e libera fluidos - algumas mulheres mais, outras menos. Se observarmos, durante a ovulação, produzimos um muco cervical característico, parecido com clara de ovo. Já em outros momentos podemos produzir um muco branco líquido e sem odor. São apenas secreções formadas por líquidos da mucosa vaginal e do colo do útero e pelas bactérias naturais que ajudam a umedecer, limpar e lubrificar a região. Mas se algo não estiver indo bem, as secreções mudam de cor, textura, cheiro e precisam de tratamento - por isso é tão importante ficarmos ligadas nos sinais e aceitar o que for natural.

 

O espelhinho pode ser seu amigo

Se observar, se tocar e sentir é essencial para saber ler os vários sinais que o corpo dá pra gente. A gente olha e observa cada cantinho do corpo no espelho, mas a vagina não. Isso não faz nenhum sentido, ela é uma das partes mais importantes da gente. Lembra aquela vez na infância ou na adolescência que pegamos o espelhinho e trancamos a porta bem trancada como se estivéssemos fazendo algo muito errado em olhar lá embaixo? Pois então, esse é um ato instintivo que devemos adotar para a eternidade. Pelo espelho conseguimos ver e entender muita coisa: se tem secreção, se a cor está normal, os formatos únicos dos nosso lábios e muitas outras coisas.

 

Se toque, se sinta, se descubra

Relaxar e nos tocar é como fazer um carinho em nós mesmas e entender a parte mais íntima de cada uma de nós. Ao nos tocarmos, conseguimos entender, por exemplo, o tamanho do nosso canal vaginal (que muda de mulher pra mulher), ou sentir colo do útero (que é a ligação entre o interior do útero e a vagina, e que varia a altura durante o ciclo, ficando mais alto quando não se está no período fértil). Mas o mais importante disso tudo é que, ao nos conhecermos melhor, somos mais capazes de cultivar o amor próprio e fortalecer o poder feminino que temos dentro de nós. Nossa dica é se jogar nessa jornada, porque só vai vir coisa boa!

Vamos falar muito, vamos falar juntas e vamos ser cada vez mais fortes!

<3




últimos posts

o prazer feminino (as loucas!)
o prazer feminino (as loucas!)

Sabia que o vibrador foi inventado para facilitar a prática que "curava" as mulheres histéricas? Isso mesmo, ele surgiu como um aparelho médico e não para nos satisfazer. Até hoje esse é um tema pouco falado, mas como aqui acreditamos em diálogos abertos e queremos uma vida sem tabus, vamos conversar mais sobre isso?

ler mais

vamos falar sobre sustentabilidade?
vamos falar sobre sustentabilidade?

Por muito tempo, quando falávamos em sustentabilidade, logo vinha à nossa cabeça coisas muito distantes de nós, relacionadas a objetivos aparentemente inatingíveis, problemas do futuro. Mas o futuro é agora mesmo, e sabe o melhor? Existem diversas micro-mudanças que podemos fazer que impactam muito o planeta e também a nossa vida.

ler mais

AHLMA: porque acreditamos na Nova Era!
AHLMA: porque acreditamos na Nova Era!

Foi em uma atmosfera de muita colaboração e transformação que abrimos o espaço da pantys na AHLMA, no Rio de Janeiro. Porque o futuro que queremos é construído por parcerias: entre marcas, pessoas, nações - quanto mais gente do bem junta, mais longe iremos!

ler mais

qual é o meu tamanho?

cadastre-se para receber um saquinho de lavagem na primeira compra \o/ frete grátis acima de R$200

-- ou --