somos espelhos — e quem nos cerca tem um impacto gigantesco na nossa v

somos espelhos — e quem nos cerca tem um impacto gigantesco na nossa vida

relacoes-blog-calcinha-absorvente-pantys

Há uma teoria: segundo o escritor americano Jim Rohn, somos a média das cinco pessoas com as quais passamos mais tempo. Em outras palavras, o que ele quis dizer é que o meio no qual estamos inseridas influencia diretamente na pessoa que nos tornamos. Faz sentido para você, amiga? Por aqui, nossa equipe tem falado muito no assunto, sabe? Isso porque agora, que estamos mais isoladas, nosso círculo se estreitou bastante. A pandemia e a quarentena aumentaram nosso contato online, mas fez com que a presença física fosse um tanto quanto prejudicada, né? E aí ficamos um bocado pensativas.

O que a gente acredita é que, sim, quem nos cerca tem um impacto gigantesco no nosso dia a dia. E não só em quem somos, mas também na forma como as coisas se desenrolam. Um exemplo bem simples: se temos um colega que reclama muito, é comum que, ao final do expediente, estejamos mais esgotadas emocionalmente. Por isso, é importante estarmos atentas para nossas escolhas. Claro que, algumas vezes, o convívio não é opcional, mas para aqueles casos em que podemos escolher — como as amizades — estamos selecionando vínculos benéficos para nossa vida?

na ponta do lápis

A gente sugere um exercício simples, rapidinho, mas que pode trazer uma clareza surpreendente sobre seus círculos de relacionamento. A ideia é que você separe as pessoas com as quais se relaciona em três grupos:pessoas nocivas para você;pessoas nocivas para você, mas que você não pode romper laços; epessoas benéficas para você.

No círculo depessoas nocivas para você, inclua aquelas que fazem você se sentir insegura, que de alguma forma atrapalham seu desenvolvimento ou que deixam sua energia lá embaixo. Vale dizer: não é sobre taxar pessoas de más, tá bem? Às vezes, é só a dinâmica da relação que não é boa e que faz com que a qualidade do vínculo seja prejudicado.

Voltando: no círculo depessoas nocivas para você, mas que você não pode romper laços, inclua gente que traz mais elementos negativos que positivos à sua vida, mas que, mesmo assim, você não pode pôr um fim na relação. Um colega de trabalho, por exemplo.

Agora, o grupo depessoas benéficas para você. Esse é fácil, né? :)

Depois dessa atividade, fica mais fácil traçar planos para novos convívios. Você pode, por exemplo, se afastar das pessoas do grupo 1 ou diminuir o contato com elas consideravelmente. Pode, também, entender de que forma restringir o contato com as pessoas do segundo grupo. E, por fim, pode traçar estratégias para estar ainda mais pertinho — digitalmente ou fisicamente, com todos os cuidados de distanciamento tomados — das pessoas do grupo 3.

E, ó, vale o aviso: não é sobre romper laços de forma brusca ou para sempre, mas entender que há momentos em que precisamos nos preservar. Quem sabe lá na frente o vínculo não volta renovado, né?

gente que impulsiona a gente <3

E como a gente gosta é de focar no lado bom, não poderia deixar de ter um destaque pra esse grupo de gente tão amada, né? Sim, estamos falando daquelas pessoas que estão lá quando mais precisamos, que impulsionam nossos sonhos, que celebram as vitórias e conquistas. São encontros raros, a gente sabe, mas são tãããão gostosos, né? É por isso que a gente propõe uma atenção toda especial pra essa gente que é tão nossa. E, para começar, vale fazê-las saber do nosso apreço e afeto. Diga que elas fazem parte do seuSeleto Grupo de Pessoas que Fazem Você Ser Melhor.Pode ser no particular, pode ser no privado. E, ah!, se for fazer declaração pública de amor, marque nosso perfil (@pantys) para a gente acompanhar essa corrente de carinho ganhando o mundo, tá? Sozinha a gente até vai bem, mas acompanhadas vamos muito melhor.



últimos posts

síndrome de impostora: nós realmente temos ou nos fizeram acreditar nisso? | pantys
síndrome de impostora: nós realmente temos ou nos fizeram acreditar nisso?

até mesmo a ex-primeira dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, falou abertamente sobre já ter vivido com essa síndrome por anos, duvidando de suas conquistas. ok, mas o que é essa síndrome? vamos descobrir juntas!

ler mais >
relacionamento inter-racial: amor, racismo e história | pantys
relacionamento inter-racial: amor, racismo e história

história do Brasil, racismo, colorismo, relações de poder, amor e inseguranças permeiam esse debate. afinal, precisamos lembrar que gosto é construído social e historicamente. então, amiga, vem com a gente, que o papo de hoje tá supercompleto e recheado de reflexões.
ler mais >
por que deixar de fazer networking pode ser um erro fatal na sua carreira? | pantys
por que deixar de fazer networking pode ser um erro fatal na sua carreira?

a experiência de fazer networking para homens e mulheres é completamente diferente. por quê? vem saber tudinho aqui, vem!

ler mais >

cool. absorbing. obvious.