Por que deixar de fazer networking pode ser um erro fatal na sua carreira? | Pantys

por que deixar de fazer networking pode ser um erro fatal na sua carreira?

A experiência de fazer networking para homens e mulheres é completamente diferente. Segundo o artigo da Harvard Business Review   Research: Men and Women Need Different Kinds of Networks to Succeed, pelo Brian Uzzi, homens têm redes de networking mais abrangentes que as mulheres.

Contudo, mesmo que as redes de networking femininas sejam mais restritas, são muito mais eficazes. E, quando usadas, uma mulher tem quase 3x mais chances   de alcançar um cargo de liderança.

O problema?

 Nós mulheres ainda temos muito medo de nos expor e utilizar nossa rede a favor do nosso crescimento profissional.

Isso não acontece à toa, fomos ensinadas a “não parecermos interesseiras” ou que “se exibir demais” era um erro fatal no nosso comportamento social.

Afinal, a competição entre as mulheres é algo que infelizmente ainda acontece muito, estamos aprendendo a desconstruir isso dentro de nós e finalmente compreender que todas podem brilhar.

Outro fator que nos impede de construir redes poderosas de relacionamento que possam ser efetivas no nosso crescimento profissional, é o medo.

Como assim?

 Sim, o medo de ser mal interpretada, de que um convite no Linkedin, um sorriso mais simpático, uma abertura qualquer possa nos levar a situações constrangedoras de assédio, e que no final, ainda seremos cobradas e nos sentiremos culpadas por ter começado uma conversa.

Segundo outra pesquisa feita pelo Linkedin com a Think Eva, 50% das mulheres já foram assediadas  na rede e esse retrato é só um dado que reforça o que sabemos que acontece a todo momento e em diversos contextos.

Eu mesma passei situações super constrangedoras com clientes, chefes, colegas e pessoas do mercado, não importando a minha postura.  O que eles tinham em comum?  Se sentiam no direito de fazer comentários, “brincadeiras", convites e me colocar em uma posição que jamais fariam com outro homem.

Por isso, nós doMulheres no Comando, criamos a #networkingsemassedio para que possamos reforçar que sim, o ambiente de trabalho deve mudar, e que já não podemos mais tolerar esse tipo de comportamento. Mas, para isso, precisamos falar sobre o assunto e jamais deixar que esse medo nos domine.

Afinal, tenho certeza que dentro de você existe um grande potencial a ser explorado. Somos produtivas, talentosas, criativas, líderes e transformadoras em todas as áreas das nossas vidas.

E precisamos finalmente compreender que  networking é crucial  para nosso desenvolvimento profissional e jamais deixar que fatores externos nos impeçam de alcançar todo o potencial do que somos.

Vamos juntas?

Para mim, esse é o caminho para nos tornarmos protagonistas da nossa história. E você?

Segue a gente no Instagrame no Linkedin!

JÉSSICA PARAGUASSU
Empreendedora especialista em Negócios e Neurociência, fundou o @mulheresnocomandosp para ajudar mulheres a despertarem todo o seu potencial
profissional e transformar o mundo corporativo num ambiente mais igualitário



últimos posts

síndrome de impostora: nós realmente temos ou nos fizeram acreditar nisso? | pantys
síndrome de impostora: nós realmente temos ou nos fizeram acreditar nisso?

até mesmo a ex-primeira dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, falou abertamente sobre já ter vivido com essa síndrome por anos, duvidando de suas conquistas. ok, mas o que é essa síndrome? vamos descobrir juntas!

ler mais >
relacionamento inter-racial: amor, racismo e história | pantys
relacionamento inter-racial: amor, racismo e história

história do Brasil, racismo, colorismo, relações de poder, amor e inseguranças permeiam esse debate. afinal, precisamos lembrar que gosto é construído social e historicamente. então, amiga, vem com a gente, que o papo de hoje tá supercompleto e recheado de reflexões.
ler mais >
você sabe a importância da visibilidade trans? | pantys
você sabe a importância da visibilidade trans?

o Dia da Visibilidade Trans foi criado para aumentar o nível de conscientização sobre travestis, transgêneros e transexuais, que representam a letra T na sigla LGBTQIA+. A data é extremamente necessária, já que o preconceito, a crueldade e a violência seguem crescendo contra esses grupos.
ler mais >

cool. absorbing. obvious.