Vamos desconectar do celular? O feed não tem fim, as férias sim.

o feed não tem fim, as férias sim. vamos desconectar?

No último texto, falamos sobre a importância de reconhecermos que estamos muito ansiosas e que não podemos normalizar esse estado porque nós merecemos viver com mais calma e paz em nosso coraçãozinho. Hoje vamos falar sobre uma prática que pode nos ajudar a desacelerar e viver uma vida mais plena e feliz: convidamos você, amiga, para desconectar um pouco da internet e recuperar a simplicidade do nosso viver.  

Vamos repensar a nossa relação com esse item que não largamos por nada e parece até uma extensão da nossa mão, de tão grudadinhas que ficamos com ele? O celular é super útil, facilita nossa vida, nos coloca em contato com quem está distante e nos permite resolver coisas rapidamente. Sim, é uma tecnologia que tem um lado muito bom, mas precisamos aprender outras formas de lidar com ela.

Nosso convite hoje é para aproveitar esse final de ano, em que a maioria de nós tem um tempo livre a mais, para realmente viver esse período offline, relembrando como é bom estar com quem a gente ama, sem ficar checando o celular o tempo todo ou registrando e postando tudo, a cada momento. Se estamos de férias, vamos abraçar essa situação e aproveitar por inteiro, porque não adianta ter esse tempo se não nos conectarmos verdadeiramente com esse descanso, não é mesmo?

Como falamos no último texto, estamos nos acostumando a viver em um estado de alerta, usamos o What’sApp para tratar de assuntos de trabalho, estamos sempre checando o celular com medo de termos sido chamadas por alguém para alguma resposta importante. E para além disso, em grande parte do tempo estamos consumindo conteúdos aleatórios e que super influenciam as nossas emoções.

Tente observar como você se sente na maioria das vezes que pega seu celular. Muitas vezes, mesmo sem querer, a gente acaba comparando nossas vidas com as de outras pessoas, que parecem muito melhor. Ninguém posta para fazer os outros se sentirem mal, mas isso pode acabar acontecendo porque só compartilhamos as coisas boas em nossas redes sociais, quase ninguém compartilha aquilo que deu errado, e isso cria uma realidade ilusória que pode nos fazer ficar mais ansiosas.

Outra coisa a se observar é quando estamos com alguma amiga e ela vai ao banheiro, o nosso impulso é correr para o celular: abrimos e encontramos uma avalanche de vidas e emoções. Quando a amiga volta, por mais que a gente bloqueie a tela de novo, não estamos mais totalmente presentes naquele encontro, nossa mente fica processando tudo aquilo que acabamos de ler em segundos.

Sim, quando a gente pensa em desconectar, vem um medinho de se afastar do que está acontecendo no mundo, mas, sinceramente, as informações não vão sumir, podemos acessar as notícias quando quisermos, e na maioria dos casos não faz diferença lermos no mesmo minuto em que ela foi gerada e nem no mesmo dia. É importante nos informarmos, mas para isso existem portais de notícias, jornais e os perfis das produtoras de conteúdos que confiamos, e não precisamos nos atualizarmos a cada segundo para cumprirmos nosso papel.

Esse é um convite que aspira um ritmo mais humano. Sabemos que não é fácil, mas quando lembramos quanta vida tem para ser vivida, quanta natureza, amizade e amor podemos sentir olhando nos olhos, não resta dúvida. A gente só precisa relembrar o quanto faz bem criar diálogos profundos e contemplar as coisas. Nossos corpos e mentes nos recompensam muitoooo quando experienciamos a vida com mais contato humano.

Vamos juntas nesse primeiro pequeno passo? Vamos lembrar o quanto é bom um abraço, ler um livro e inventar novas coisas para fazer? Vamos abrir mais tempo e espaço para coisas que importam?

Tem dicas para ajudar as manas nesse desafio? Compartilha com a gente, vamos adorar saber e espalhar por aí. Boas férias cheias de amor a todas nós!



últimos posts

indicamos o livro “o calibã e a bruxa”

sabe aquela leitura profunda, que exige um tanto de presença e paciência, mas que é transformadora? então, amiga, o livro “O calibã e a bruxa — mulheres, corpo e a acumulação primitiva”, é assim.

ler mais >
vamos conversar sobre sonhos?

dos mais simples aos mais complexos, passando por aqueles sem pé nem cabeça: você sabia, amiga, que os sonhos têm uma importância vital na solução de questões particulares e até coletivas?

ler mais >
você sabe o que é interseccionalidade?

entender isso é essencial para a construção de um mundo mais justo. mas, se você está confusa e se perguntando como reconhecer as diferenças que temos pode auxiliar na conquista da igualdade, a gente explica.

ler mais >

cool. absorbing. obvious.