ciúme: o que ele diz sobre nós?

ciúme: o que ele diz sobre nós?

calcinha-absorvente-pantys-blog-ciumes

De acordo com o dicionário Michaelis, ciúme é o sentimento negativo provocado por receio ou suspeita de que a pessoa amada dedique seu interesse e/ ou afeto a outrem. Pode ser, ainda, medo de perder algo ou o sentimento negativo em que se mesclam ódio e desgosto, provocado pela felicidade ou situação favorável de outra pessoa.

Todo mundo, em certa medida, já sentiu na pele o frisson do ciúme. Alguns mais, outros menos, mas é certo que a maioria de nós já experimentou a sensação. Basta que olhemos para toda a sorte de produção literária, cinematográfica e musical pra ver quanta gente há enciumada por aí!

Mas não é porque é costumeiro que significa que seja bom, né? O ciúme, aliás, é um afeto desequilibrante nas relações contemporâneas e que, quando não bem controlado, pode evoluir, inclusive, para ações violentas — você já deve ter lido alguma manchete machista por aí falando em crime passional, quando deveria, na verdade, referir-se à feminicídio.

tipos de ciúme

Para Freud, pai da psicanálise, havia três tipos de ciúme: o normal ou competitivo, o projetado e o delirante. No primeiro, a pessoa experimenta a dor narcísica da perda de um objeto, oscilando entre luto e sensação de abandono, e consegue elaborar, de forma lúcida, o que está passando. Já no ciúme projetado, o indivíduo sente o desejo de trair e, por isso, acredita que o outro também sinta. A projeção, então, oferece um alívio da culpa pela infidelidade, mesmo que só no imaginário. Por último, o delirante. Nesse caso, o ciúme dificulta uma relação de amor autêntica porque a pessoa está tão focada em suas próprias emoções que é incapaz de viver a realidade que se apresenta.

Talvez você já tenha experimentado mais de um desses tipos ou, certamente, conhece alguém que já esteve em algum desses lugares. A verdade é que não recebemos educação socioemocional. Poucas de nós fomos sensibilizadas, desde crianças, para aprender a identificar, nomear e lidar com as emoções. E é por isso que, agora, jovens e adultas, é imprescindível que façamos esse caminho de autoconhecimento. Sessões de terapia ou análise são buscas positivas nesse sentido. Ter ajuda de quem sabe como nos guiar no processo é maravilhoso. Boas leituras e palestras também podem ser ótimos auxiliares na trajetória. Por aqui, separamos alguns conteúdos que podem ser benéficos nessa jornada de identificar quando o ciúme pinta — e o que fazer a partir de então.

indicações

Mon roi - Filme

O filme francês mostra a protagonista Tony e sua relação conturbada e destruidora com Georgio. Mesclada por cenas fortíssimas de ciúme, a produção traz o desfecho de um relacionamento em que a desconfiança e a posse são estruturais e mostra, sem rodeios, o que se perde com tudo isso.

Como sentir ciúme e ser generoso ao mesmo tempo - TEDxSãoPaulo

Bateu o ciúme no trabalho? O TEDxSãoPaulo de Mila Motomura pode ajudar.Ao ensinar técnicas de facilitação gráfica, a psicóloga formou alunos e, consequentemente, concorrentes. Na palestra, ela conta como conseguiu lidar com emoções conflitantes e como o dilema sobre continuar ou não ensinando fez com que enfrentasse seus medos de criança, acolhesse sua essência e entendesse que a dimensão individual tem um impacto gigante no coletivo.

Regina Navarro Lins

A psicanalista e escritora é referência quando o assunto é novas formas de amar.Seu blog tem textos incríveis sobre todo tipo de assunto que envolve os afetos. Em seu Instagram, também compartilha excelentes achados para quem quer começar a sentir e se relacionar de um jeito mais livre ou, pelo menos, sem tantas amarras. Vale o follow!



últimos posts

síndrome de impostora: nós realmente temos ou nos fizeram acreditar nisso? | pantys
síndrome de impostora: nós realmente temos ou nos fizeram acreditar nisso?

até mesmo a ex-primeira dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, falou abertamente sobre já ter vivido com essa síndrome por anos, duvidando de suas conquistas. ok, mas o que é essa síndrome? vamos descobrir juntas!

ler mais >
relacionamento inter-racial: amor, racismo e história | pantys
relacionamento inter-racial: amor, racismo e história

história do Brasil, racismo, colorismo, relações de poder, amor e inseguranças permeiam esse debate. afinal, precisamos lembrar que gosto é construído social e historicamente. então, amiga, vem com a gente, que o papo de hoje tá supercompleto e recheado de reflexões.
ler mais >
por que deixar de fazer networking pode ser um erro fatal na sua carreira? | pantys
por que deixar de fazer networking pode ser um erro fatal na sua carreira?

a experiência de fazer networking para homens e mulheres é completamente diferente. por quê? vem saber tudinho aqui, vem!

ler mais >

cool. absorbing. obvious.