gel anticoncepcional sem hormônio é eficaz? contamos tudinho sobre o novo produto

Ilustração de uma flor dentro de um balão de fundo chato  aplicando pomada em cima das pétalas

Falar sobre contraceptivos é a garantia de uma conversa longa e recheada de informações. Pílulas, injetáveis, adesivos e dispositivos intrauterinos são algumas opções disponíveis. Além deles, um novo produto está sendo lançado: o gel anticoncepcional vaginal sem hormônios do mercado.

Siim, pode acreditar, tem novidade da indústria farmacêutica chegando por aí. E para entender melhor como esse produto funciona e sua eficácia, nós fomos atrás de todas as informações que você precisa saber sobre o assunto. Vamos juntinhas entender mais sobre o gel anticoncepcional? <3

gel anticoncepcional é alternativa a métodos tradicionais

Falar sobre os efeitos colaterais dos anticoncepcionais não é novidade por aqui e já conversamos bastante sobre esse assunto, não é mesmo? Por isso, sabemos que nem todas as mulheres se adaptam aos contraceptivos hormonais.

Nesses casos, é necessário procurar outra opção, e esse é o objetivo do anticoncepcional em gel sem hormônios: oferecer uma alternativa para quem não pode, não quer usar ou não se adaptou aos produtos com hormônios.

O gel contraceptivo que ganhou as manchetes chama-se Phexxi e é produzido pelo laboratório Evofem Bioscience. Ele foi aprovado pelo órgão que regula medicamentos e alimentos nos Estados Unidos, o FDA (Food & Drug Administration).

como o gel funciona?

Agora que você já sabe que este produto é sem hormônios, deve estar ansiosa para saber como usar anticoncepcional em gel. Não tem muito segredo: basta usar um aplicador para colocar o gel corretamente no canal vaginal. Isso deve ser feito imediatamente antes da relação ou com, no máximo, uma hora de antecedência, para garantir a eficácia do produto. Ou seja, ele não funciona se for aplicado depois da relação.

Basicamente, o gel anticoncepcional feminino atua da seguinte forma: depois de aplicado no canal vaginal, ele vai alterar o PH da região, mantendo o ambiente ácido e inviabilizando a fecundação do óvulo pelos espermatozoides.

Na verdade, o pH da vagina já é naturalmente ácido e varia de 3.5 a 4.5. No entanto, esses valores aumentam após a ejaculação, permitindo que os espermatozóides passem pelo canal vaginal em direção ao óvulo. Portanto, ao manter o pH ácido, o gel evita esse aumento e impede a ação dos espermatozoides.

gel anticoncepcional e estudos científicos

A última fase das pesquisas do gel anticoncepcional foi publicada no periódico Obstetrics & Gynecology (Obstetrícia e Ginecologia). O estudo foi realizado com 1.330 voluntárias, entre 18 e 35 anos, que usaram o produto pelo menos uma vez a cada ciclo durante sete ciclos.

Os resultados revelaram que, quando usado corretamente, o risco de falha do produto varia de 6,7 a 10%. Outro ponto que merece destaque é a melhora na vida sexual das voluntárias, que relataram maior lubrificação, libido e orgamos.

Vale ressaltar que cerca de 20% tiveram sensação de queimação e coceira — uma porcentagem considerável de pessoas. Entretanto, os sintomas diminuíram com o uso contínuo.

risco de falha merece atenção

Existem diversos tipos de anticoncepcional e a eficácia entre os métodos varia. Os estudos mostram que o risco de falha do gel está entre 6,7 e 10% quando utilizado corretamente, e essa é uma porcentagem alta. Ah, vale lembrar: essa porcentagem se torna ainda maior caso a mulher esqueça de aplicar o produto antes da relação.

A comparação com outros métodos contraceptivos ajuda a ilustrar esse tópico. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o risco de falha do DIU vai de 0,2 a 0,8%. Já no caso da pílula, pode variar entre 0,3 e 9% — tudo vai depender da utilização correta do medicamento.

Portanto, apesar da aprovação e da comprovação de eficácia, o risco de falha do gel anticoncepcional sem hormônios é consideravelmente alto, e esse fator deve ser considerado ao adotá-lo como método contraceptivo.

converse com a sua médica <3

Conversar, pesquisar e perguntar são as melhores formas de encontrar uma solução que atenda às suas necessidades. O gel ainda não está disponível no Brasil, mas em algum momento ele deve chegar por aqui e, se você tiver interessada no produto, vale conversar com a sua médica sobre o assunto.

Ele é uma alternativa para quem busca contraceptivos naturais e a combinação com outros métodos, como a camisinha e diafragma, pode ser uma boa opção. Mas, lembre-se de consultar um profissional qualificado para tomar a melhor decisão para você e para o seu corpinho <3

conteúdo revisado pela ginecologista:

Dra. Arabela Versiani, CRM-MG: 46656

instagram: @draarabela

o nosso portal menstrual é totalmente focado em fins educacionais e não se destina à tomada de decisões médicas. qualquer dúvida específica sobre sua saúde, entre em contato com seu ginecologista ou médico para maiores esclarecimentos, ok?


deixe um comentário

os comentários precisam ser aprovados antes de postarmos, ok?

Este site é protegido por reCAPTCHA e a Política de privacidade e os Termos de serviço do Google se aplicam.