Vulvovaginite: saiba tudo sobre essa inflamação | Pantys

você sabe o que é vulvovaginite? saiba tudo sobre essa inflamação

Oi, amiga! Você já sabe que o nosso corpo é nosso amigo e que ele dá alguns sinais quando tem algo errado lá dentro, certo? Por isso, nosso papo hoje é sobre os sintomas, as causas e as opções de tratamento para a vulvovaginite, uma inflamação que pode afetar muitas de nós.

o que é vulvovaginite?

Antes de entender quais são os sintomas, as causas e os tratamentos, é importante entender beeem direitinho o que é vulvovaginite. Vem que vamos te explicar!

A vulvovaginite é uma inflamação causada por diferentes tipos de microorganismos, como fungos, bactérias e vírus, que podem causar desequilíbrio no pH vaginal. A consequência, na maioria dos casos, é o corrimento com cores incomuns.

Além disso, também é importante ressaltar que a vulvovaginite pode ser conhecida como vulvite, mas elas são um pouquinho diferentes. Enquanto a vulvite é uma irritação na pele da vulva, a vulvovaginite é uma inflamação que se manifesta tanto na vulva como na vagina.

um pouquinho de anatomia

Para que não reste dúvida entre os conceitos de vulvite e vulvovaginite, vamos explicar bem direitinho o que é vulva e o que é vagina. Embora as diferenças sejam óbvias para algumas pessoas, há quem confunda os nomes e quem pense que se trata da mesma coisa.

  • Vulva: é a parte externa que envolve a região dos pequenos e grandes lábios, o clitóris, a uretra e a abertura que leva à vagina,
  • Vagina: um tubo fibromuscular que tem origem lá no colo útero e vai até o óstio da vagina, aquela abertura que fica na parte inferior. Ou seja, é um canal que liga a abertura ao útero e que tem, em média, de sete a nove centímetros que pode aumentar durante a excitação sexual.

vamos aos sintomas da vulvovaginite

E aí, tudo certinho até aqui? Agora que você já sabe o que é e onde a inflamação se manifesta, é hora de entender quais são os sintomas da vaginite. Além do corrimento com uma cor incomum, é possível apresentar:

  • Coceira, irritação e vermelhidão;
  • Dor ao fazer xixi;
  • Dor durante o sexo,
  • Sangramento (nos casos mais críticos).

e quais são as causas da vulvovaginite?

“A nossa vagina é composta por uma flora vaginal normal, composta de diversos componentes e o desequilíbrio dessa flora muitas vezes é a causa da vulvovaginite”, explica a ginecologista Fernanda Gonçalves.

  • Além do desequilíbrio da flora, a vulvovaginite pode se desenvolver por infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), menopausa e alguns fatores externos.
  • Vírus: herpes e vírus do papiloma humano;
  • Bactérias: streptococcus, gardnerella e staphylococcus podem causar vulvovaginite. Nesse caso, é possível apresentar corrimento branco-acinzentado acompanhado ou não de cheiro;
  • Fungos: é uma das causas mais comuns, especificamente a candidíase;
  • ISTs: clamídia ou gonorreia podem desencadear a inflamação, gerando coceira e corrimento intenso que, na maioria das vezes, tem odor forte;
  • Produtos químicos: sabonetes e absorventes perfumados;
  • Menopausa: quando a pele dos órgãos genitais tornam-se mais finas, fator que pode desenvolver coceira e queimação;
  • Fatores externos: uso de roupas muito apertadas, que podem inflamar a pele em razão da fricção,
  • Aumento da umidade local: esse tipo beneficia a proliferação de fungos e bactérias.

de olho nas opções de tratamento para a vulvovaginite

E aí, será que vulvovaginite tem cura? Tem sim, amiga! Mas para apostar na melhor opção de tratamento para você, é fundamental procurar o seu ginecologista antes, combinado? Nada de sair se automedicando.

Geralmente, o tratamento para vulvovaginite é feito com remédios que devem ser consumidos via oral ou com cremes que podem conter diferentes princípios ativos. A verdade é que ele vai depender muito da causa específica. Tá vendo? Mais um motivo para procurar o seu médico, só assim é possível ter um diagnóstico bem certinho ;)

Ah, por fim, só mais uma informação: quando a pergunta é “quanto tempo dura a vulvovaginite?”, vale ressaltar que isso também vai depender da intensidade com a qual a inflamação se manifesta. Por isso, ao menor sinal da inflamação, é importante procurar um médico para evitar que o quadro piore.

Já com relação ao tratamento, ele costuma ter uma duração variada, nos casos mais longos, pode perdurar por cerca de duas semanas. Ao longo dos dias, o ideal é ir notando uma melhora. Mas, caso o seu corpo não reaja bem, já sabe, né? Converse com o seu ginecologista!

Se cuida, amiga, e continue contando conosco para trilhar o caminho do autocuidado e do autoconhecimento <3


conteúdo revisado pela ginecologista:

Dra. Fernanda Aguiar Gonçalves. CRM: 35279 PR

instagram: @nandaagoncalves

o nosso portal menstrual é totalmente focado em fins educacionais e não se destina à tomada de decisões médicas. qualquer dúvida específica sobre sua saúde, entre em contato com seu ginecologista ou médico para maiores esclarecimentos, ok?



cool. absorbing. obvious.