frete grátis acima de R$200 \o/

0

sua sacola está pelada

já ouviu falar da dismenorreia? explicamos tudinho sobre essas dores menstruais

Mais da metade de nós, brasileiras, passamos por isso todo santo mês: dor de cabeça, humor instável — ou choramos demais ou ficamos irritadas sem motivo aparente —, sonolência, dificuldade de concentração e claro… dismenorreia.

Sim, sim, a dismenorreia é bem comum durante a menstruação e, com certeza, você já sentiu alguns dos seus sintomas. Ficou curiosa para saber o que é dismenorreia? Dá a mãozinha e venha entender melhor as causas e por que ela pode, inclusive, atrapalhar o dia a dia de muitas poderosas.

a gente aposta que você já conhece a dismenorreia

E, se a gente falar que, apesar do nome complicadinho, a dismenorreia nada mais é do que a cólica menstrual? Pois é, este é apenas o nome científico dado para o que várias de nós conhecemos muito bem.

Isso não quer dizer que a dismenorreia seja uma coisa bobinha, já que muitas de nós toleram essas dores incômodas todos os meses. Mas será que você sabe exatamente por que temos cólica menstrual? Se a resposta é “não” ou “mais ou menos”, fica grudadinha na gente que vamos explicar.

a cólica muito bem explicadinha

Primeiro, você precisa saber que o nosso útero produz uma substância chamada prostaglandina — decore esse nome porque ele vai ser bastante falado por aqui, OK? —, feita para eliminar o endométrio em formato de menstruação.

O endométrio é uma camadinha na parte interna do útero que cresce para nutrir o embrião fecundado, então, quando não há fecundação, o organismo entende que pode expelir essa camadinha. Nosso corpo é incrivelmente inteligente, não é?

Tá, mas e por que esse processo dói? É devido à prostaglandina, substância que provoca a contração do útero para a camadinha da parte interna dele ser expelida, já que não haverá embrião para ser desenvolvido. É justamente essa contração que causa a dismenorreia, a famosa cólica.

É importante destacar que a cólica menstrual é dividida em dois tipos: dismenorreia primária e dismenorreia secundária. Abaixo, explicamos detalhadamente cada uma delas. Vamos conferir juntas? ;)

dismenorreia primária

É aquela cólica mais comum e tem relação com a menstruação regular, causada pelo aumento na produção de prostaglandina pelo endométrio — aquela camada de parede interna no útero que já falamos lá em cima.

Geralmente, esse tipo de dismenorreia se manifesta um ou dois dias antes da menstruação e a dor na pelve (parte baixa do abdômen) acaba diminuindo a partir do momento em que o sangue desce.

dismenorreia secundária

A dismenorreia secundária também não é incomum em muitas de nós, e, apesar de estar relacionada ao aumento de prostaglandina — a substância que provoca a contração do útero —, acontece porque algo não vai muito bem no nosso aparelho reprodutivo.

Se você sente uma dor que te impede de arrasar no trabalho, ir à academia ou simplesmente levantar da cama para conquistar o mundo, é bem capaz que esteja sentindo dismenorreia secundária.

É uma dor que persiste durante todo o período menstrual e vem acompanhada ou não de um fluxo menstrual intenso, resultante de alterações patológicas no aparelho reprodutivo.

Além das dores mais intensas, o que difere a secundária da primária também é que esta acontece em conjunto a algum probleminha no sistema reprodutivo, como endometriose e miomas no útero, por exemplo.

será que seus sintomas são normais?

A gente sabe muito bem que cólica causa um certo desconforto, né? Na verdade, algumas de nós sofrem bastante com sintomas mais intensos. Para te ajudar a identificar se o que você sente é comum, veja abaixo nossa lista “Dismenorreia: sintomas”:

  • Enjoos ou até vômito;

  • Diarréia;

  • Cansaço fora do comum;

  • Leve tontura, se for muito forte, no caso da secundária, pode causar desmaios;

  • Dor pélvica parecida com uma pressão ou a sensação de que alguém está apertando,

  • Dores na região baixa das costas.

quando ficar mais atenta

Com certeza, você tem uma amiga que raramente tem dismenorreia e se pergunta se isso tem um motivo ou é apenas sorte. Bom, a gente te explica. Na verdade, tudo vai depender de você apresentar ou não uma cólica secundária, assim como a idade da sua amiga.

Outro fator é que, por sermos únicas, cada uma tem uma sensibilidade diferente à prostaglandina e a percepção da dor também é uma característica muito individual.

Mas, se a dismenorreia está muito forte, é importante ficar alerta, pois pode indicar algum outro probleminha de saúde, como endometriose, cistos, inflamação ou infecção. Abaixo, explicamos direitinho:

  • Endometriose: é o crescimento do endométrio fora da parte interna do útero. “Não existe uma causa exata para isso ocorrer mas o fato é que na doença endometriose pode aparecer endométrio nos ovários, nas trompas uterinas, na bexiga, no intestino e até mesmo nos pulmões”, explica a ginecologista Larissa Chrispim.

  • Adenomiose: é beeem parecido com a endometriose. O que diferencia as duas situações é que nessa, o endométrio acaba indo para a musculatura do útero, deixando-o mais pesado e grosso.

  • Cistos: a presença de cistos nos ovários pode causar dor tipo cólica frequente e/ou dor para ter relação sexual É bom que todas nós fiquemos atentas, pois alguns desses cistos podem ser malignos, por isso a importância de exames regulares, combinado?

  • Mioma: é um tumor benigno (respira!), que pode aparecer tanto na parte interna quanto externa do útero. Sua causa exata ainda não é totalmente conhecida pode ter levar a sintoma nenhum ou até mesmo um fluxo menstrual anormal e muita dor.

  • Doença inflamatória pélvica: é provocada por microorganismos durante uma relação sexual desprotegida em que alguém esteja contaminado. Esses microorganismos “sobem” pelo canal cervical e provocam infecção e inflamação no útero, nas trompas uterinas e nos ovários causando muita dor, desconforto e até corrimento com cheiro desagradável.

  • DIU de cobre: entre as diversas causas de dismenorréia secundária está também o DIU de cobre. Portanto, se você colocou algum recentemente e notou que as dores menstruais aumentaram, esse pode ser o motivo, pois o DIU de cobre tem substâncias inflamatórias que podem aumentar a cólica.

mulheres do futuro se cuidam

Caso a dismenorreia esteja atrapalhando sua qualidade de vida, é hora de procurar aquela ginecologista maravilhosa e contar tudinho o que você está sentindo para ela, combinado? Assim, com os exames certos, você terá o melhor tratamento para continuar arrasando na vida.

Quando uma de nós está mal, a gente sabe e também somos afetadas por isso. É por causa dessa sororidade que a gente se preocupa muito com sua saúde física, emocional e mental. Seja para facilitar seus dias de sangramento com produtos incríveis ou informações como dismenorreia o que é, estamos com você! <3


conteúdo revisado pela ginecologista:

Dra. Larissa Chrispim. CRM: 169 225

Instagram: @dralarissachrispim

o nosso portal menstrual é totalmente focado em fins educacionais e não se destina à tomada de decisões médicas. qualquer dúvida específica sobre sua saúde, entre em contato com seu ginecologista ou médico para maiores esclarecimentos, ok?



cool. absorbing. obvious.