frete grátis acima de R$200 \o/

0

sua sacola está pelada

por que fazer um armário cápsula?

Oi, tudo bem?

Pra quem ainda não me conhece, eu sou a Fe Cortez, ativista ambiental e idealizadora do Menos 1 Lixoe colunista convidada aqui no blog da pantys

Em 01 de janeiro de 2015 eu me lancei um desafio, que na época foi um desafio despretensioso de eliminar de vez os copos descartáveis da minha vida. Assim nascia não só o Menos 1 Lixo, como a Fernanda que eu sempre fui, aquela que tava lá escondida por baixo de um monte de capas e sonhos e aspirações que um dia já foram minhas, ou que talvez nunca tenham sido, talvez elas tenham sido apenas um reflexo do que eu achava que deveria ser. O Menos 1 Lixo me fez e me faz entrar em contato, cada dia mais, com a minha essência, já que a minha missão e o meu propósito eu descobri a partir desse primeiro de janeiro, ser ativista ambiental.

Ser ativista ambiental é um ato de amor, de amor com ação. De amor por mim, de amor pelo planeta, e mais profundamente de amor pela humanidade. É uma vontade de fazer esse ecossistema chamado Gaia, dar certo. Fazer as pessoas se religarem com as suas essências, que de toda forma passam pela natureza, afinal somos natureza. E quando digo que é um ato de amor por mim, é porque eu, assim como a maior parte das pessoas, estava meio adormecida para o todo, fazendo o meu, no corre nosso de cada dia, sem prestar atenção para o fato que minhas escolhas e atitude diárias, somadas às escolhas e atitude diárias de toda a humanidade, resultam nesse momento crítico e alarmante do planeta: um colapso em curso! E que pode (e vai, se não mudarmos) custar as nossas vidas.

Bom, mas você deve estar aí pensando, e o que isso tem a ver com o Desafio Armário Cápsula? Tudo, mas tudo mesmo!!! A moda é a segunda indústria mais poluente do mundo. Até abril de 2019, 16% de todo o pesticida do mundo era usado no algodão e um caminhão de tecido era a média descartada por segundo. Provavelmente esses números já cresceram de lá pra cá. Hoje compramos o dobro de roupa do que comprávamos há 30 anos, e pra que? O look no final do dia vai acabar no lixão, contaminando nosso ar, solo e água. Então, se a gente parar pra analisar, vai entender que a ideia de look do dia é crime ambiental e quem paga essa conta somos nós e Gaia, claro!

Eu vim da moda, trabalhei 10 anos nessa indústria, e mesmo antes disso lembro de ainda no colégio ir à Semana de Moda Barrashopping (acho que era ela), que evoluiu para Fashion Rio, que maratonei inúmeras vezes, juntamente com o Fashion Week. Eu amava moda, acompanhava as tendências, me controlava pra não gastar mais do que tinha comprando roupas. Fui stylist, assessora de imprensa, gerente de produto e planejamento, de moda. Foi quando em 2009 comecei a sentir um desconforto naquele dia a dia, naquela lógica de consumo desenfreado, de peças feitas pra serem bacanas por apenas uma estação, de padrões de beleza inalcançáveis para a grande maioria das pessoas, e mais do que isso, de você só se sentir alguém, se você tiver aquela bolsa, daquela marca, ou aquele sapato. Quanta frustração no mundo é causada pelo look do dia, pela saia da semana (porque nem mais da estação é), pela nova dieta pra ter um manequim de um tipo de corpo que nem é o da brasileira.

Sim, isso começou a se tornar insustentável na minha vida. Não, eu não tinha a menor clareza disso na época. Mas larguei a moda (indiretamente, porque continuei prestando serviço e fazendo conteúdo pra marcas de moda) e abri uma agência de branded content, de conteúdo feito por marcas pra conversarem com pessoas. E fui mais feliz fazendo isso. E mais ainda sendo sócia do MIMO, Festival de Música que me apresentou o patrimônio histórico de outro jeito, a beleza da música com um outro olhar, sensível e incrível da Lu Araújo, minha então sócia. Até que chega 2012, Festival do Rio, e eu assisto o Trashed (Lixo, um problema de todos) e foi um soco no estômago, foi desconfortável, pra não dizer desesperador, ver o que as pessoas estavam fazendo com o planeta, quase não consegui assistir ao documentário inteiro, e eu não podia mais continuar vivendo a vida da mesma forma. Porque aquelas pessoas também eram eu. E assim nasceu o comportamento Menos 1 Lixo, e meu mais novo companheiro inseparável, meu copinho.

Três anos se passaram, fechei a agência no final desse 2015, com um resultado de 1.618 copos a menos e uma certeza que era pra isso que eu ia dedicar minha energia, meu amor e minha força de trabalho. De lá pra cá tudo mudou: meu trabalho, meus amigos, meu namorado, o meu apê, minha forma de comprar, meu meio de transporte. Mas uma coisa ainda permanecia igual, o guarda roupa daquela época. Porque mesmo comprando muito pouco nos últimos anos, ainda tinha um ativo (ou passivo?) de um armário de 5 portas cheio, lotado! Apresentando o Menos é Demais, vi muitas vezes armários como o meu e pensava: eu não compro mais, mas esse armário ainda faz sentido? Até que ano passado a Heli, uma amiga engajada e colaboradora do Menos 1 Lixo, me mandou um desafio proposto pela Lilian Pacce, usar o mesmo look por uma semana, e a gente resolveu fazer. O resultado foi a adesão de muita gente, que assim como eu, descobriu a libertação e alegria de repetir todo dia durante uma semana, a mesma roupa! Tava lá meu desafio de 2018, repensar minha relação com a moda.

Então, em janeiro de 2018, me lancei um novo desafio: transformar aquele armário de 5 portas, em um armário cápsula, onde só ficaria o que fizesse sentido: tudo o que mais me representa, as peças que refletem o que eu quero passar com a minha roupa, porque a moda tem sim um papel importante de vestir a gente da forma como a gente quer que o mundo nos veja. Mas tem que ser assim, de dentro pra fora, e não imposto por uma curadoria que vem sei lá de onde, e pensado pra quem tem 1,80 e veste manequim 38 (tipo poucas pessoas né migas).

O Desafio Armário Cápsula mudou a minha vida, foi muito libertador! E foi mais uma forma de eu me encontrar no meu propósito e na visão minimalista que eu tenho construído desde então. Foi uma delícia fazer e contar com a curadoria da Vivi Cardinali. Eu passei a conhecer de verdade o meu estilo, porque eu amo e uso tudo o que tem no meu guarda-roupa. Trocar de look todo dia é como mudar de personalidade constantemente: não reflete quem eu sou!

E eu queria muito convidar você, que chegou até aqui comigo, a participar, caso ainda não conheça o conceito ou nunca tenha feito o seu Cápsula. É uma brincadeira muito divertida e, no fim das contas, uma espécie de superação. A websérie tá completa no youtube do Menos 1 Lixo e se você já se ligou, tem muito conteúdo no site e no instagram também. Segue lá:@fecortez e@menos1lixo!

Afinal, repetir roupa é o máximo e a felicidade não está no consumo, né? Consumo consciente além de estar na moda (ainda bem) é fundamental pra garantirmos a nossa sobrevivência na Terra. Vamos juntas?

FE CORTEZ
é ativista ambiental e do amor, idealizadora do @menos1lixo, movimento que enxerga no poder do indivíduo a capacidade de transformar o mundo com conteúdo disponível também no site e no youtube.



últimos posts

pequeno manual antirracista: dez lições para entender as origens do racismo e como combatê-lo | pantys
pequeno manual antirracista: dez lições para entender as origens do racismo e como combatê-lo

A gente traz uma leitura imprescindível pra abraçar a luta antirracismo. Vamos nos informar juntas e estar conscientes de como podemos contribuir?

ler mais >
28 de junho: amor é amor | pantys
28 de junho: amor é amor

Hoje é dia 28 de junho, Dia do Orgulho LGBTQIA+, vamos falar sobre o direito de amar? <3

ler mais >
amigas crescem juntas | pantys
amigas crescem juntas

No último texto da nossa série sobre relacionamentos, vamos falar sobre amizade, essa palavrinha mágica que preenche um espação em nossas vidas e que também tem que estar equilibrada para todo mundo crescer junto.

ler mais >

cool. absorbing. obvious.