existe uma alternativa ao crescimento a qualquer custo

existe uma alternativa ao crescimento a qualquer custo

Em 22 agosto de 2020, nosso planeta entrou no cheque especial. Chegamos ao Dia da Sobrecarga da Terra e, a partir de então, tivemos de acionar a “reserva” planetária que seria destinada para suprir a demanda das populações futuras. A conta, que é feita anualmente, mostra que passamos a demandar mais recursos naturais e serviços ecossistêmicos do que nosso planeta azul é capaz de regenerar em um ano e isso tem muito a ver, claro, com nosso sistema econômico.

a gente consegue sair dessa?

Do lado de cá, estamos encantadas com o livro “Economia Donut: uma alternativa ao crescimento a qualquer custo”. Na obra, a economista Kate Raworth apresenta um novo modelo econômico, capaz de responder aos desafios do século XXI. Se você nunca ouviu falar de Economia Donut, amiga, a gente explica: Raworth analisou sete pontos críticos com que a economia atual nos trouxe à ruína — como, por exemplo, a obsessão pelo crescimento ilimitado — e apresentou, a partir daí, um novo sistema no qual as necessidades de todos serão satisfeitas sem esgotar os recursos do planeta. Parace maravilhoso, né?

como a clássica rosquinha pode nos ajudar?

Em gráfico similar a um “donut”, a autora nos explica de forma didática as insuficiências que devem ser sanadas (localizadas no vazio interior), como alimento, saúde, emprego e renda, educação, paz e justiça, voz política, equidade social, habitação, igualdade de gênero, energia, água e redes. No corpo da rosca é onde devemos nos situar, numa dimensão justa e segura para a humanidade. No limite externo, estão os excessos, o teto ecológico que não devemos ultrapassar e que define nove itens — mudanças climáticas, acidificação dos oceanos, poluição química, extração de água doce, perda de biodiversidade, sobrecarga de nitrogênio e de fósforo, conversão do solo, perda de biodiversidade, destruição da camada de ozônio e poluição do ar.

Parece complicado, mas a gente promete que não é. Simplificando, seria assim, ó: do lado de dentro está o que precisamos remediar para entrar no “espaço seguro” do donut; do lado de fora, temos o que precisamos reduzir. E é justamente por essa abordagem tão simples que a economia deixa de ser algo técnico, com linguagens dificílimas, e passa a ser acessível para todas nós :)

então que tal ler junto com aquela amiga querida?

O livro de Kate Raworth é maravilhoso. É do tipo de leitura que faz a gente acreditar na mudança, sabe? Mergulhar em sua leitura é garantir aquele entusiasmo que a gente precisa ter pra não desistir de um mundo melhor. Fácil de ler, é perfeito para clubes de leitura entre amigas. Por isso, a gente deixa o convite para que você reúna as suas por aí e se dediquem a esse manifesto tão bonito, criado por uma mulher incrível — que merece que sua obra ganhe o planeta todinho. Se ler, conta pra gente o que achou? A gente espera trocar muito ainda com você sobre esse assunto!



últimos posts

pintar as unhas: vamos refletir sobre este hábito?

voltamos à pergunta de um milhão de reais: e por que você pinta as unhas? Precisamos bater um papo sobre autorresponsabilidade. Bora ressignificar?

ler mais >
primavera combina com nutrir a alma: listamos os alimentos sazonais da estação mais colorida do ano pra você

a natureza é perfeita. a cada estação, ela oferece alimentos sazonais que brotam do solo para nutrir nossos corpos com vitaminas e sais minerais ideais para determinada temporada climática.

ler mais >
lemos e indicamos: o livro Narrativas Negras, com biografias ilustradas sobre mulheres pretas brasileiras

trazer à população brasileira histórias de mulheres que participaram ativamente da construção política, educacional, social e cultural do país. essa é a missão do livro Narrativas Negras, vem conhecer, amiga!

ler mais >

cool. absorbing. obvious.